Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Olhares Azuis

Aqui por casa, 7 pares de olhos azuis.

O meu nariz vai crescer agora...

Ora aqui está um bonito Paradoxo .

 

Tradução :

 

"Paradoxo Épico:

 

Se o Pinóquio diz que vai crescer-lhe o nariz, mas este não cresce, ele está a mentir. Mas o nariz cresce quando ele mente, por isso ele estaria a dizer a verdade. Mas o nariz cresceria enquanto ele diz a verdade."

 

Hum...interessante...

 

"Correcção:

 

Tudo depende de como funciona todo o mecanismo de detecção de mentiras. Não haverá nenhum paradoxo se, por 'mentir', se considerar que o Pinóquio diz algo que ele pensa que não é verdade.

 

Assim, se o Pinóquio pensa que o seu nariz vai crescer, e diz 'O meu nariz vai crescer', e não cresce, o Pinóquio vai ficar surpreendido. Se ele pensa que o seu nariz não vai crescer, vai crescer! Depois de fazer isto durante algum tempo Pinóquio não saberá mais o que pensar; Apenas saberá que ficará sempre surpreendido pelo que acontecer. Mas não haverá paradoxo.

 

Por outro lado, se o mecanismo de crescimento do nariz (MCN) arranca simplesmente quando Pinóquio não diz a verdade, intencionalmente ou não, então temos uma situação. Penso que para responder a esta questão teremos que nos socorrer do Teorema da Incompletude de Godel , e dizer que tal MCN não pode existir.

 

Para já, se o MCN do Pinóquio funcionasse desta maneira, ele seria totalmente omnisciente. Por exemplo, ele poderia dizer 'O mercado de capitais irá subir amanhã' e saber se a sua afirmação seria verdade apenas observando o crescimento (ou não) do seu nariz. Portanto aqui estão alguns paradoxos de viagem no tempo em adição ao paradoxo original.

 

Ainda, vamos assumir que o MCN existe. Também, apenas como suporte ao argumento, vamos assumir que : nariz cresce => Pinóquio mentiu em adição às suas mentiras => nariz cresce. Considere o que aconteceria se Pinóquio afirmasse o seguinte:

 

'Ou o meu nariz cresce, ou eu me torno um menino de verdade!'

 

A única forma de esta afirmação não causar um paradoxo é Pinóquio tornar-se um menino de verdade. Assim, se de alguma forma o Universo faz o que pode para evitar paradoxos, transformará Pinóquio num menino de verdade.

 

Facto : Pinóquio é Omnipotente"

 

Já tenho a cabeça a 1000.

*tirado daqui bitsandpieces

traduzido por mim

Castigo

20:15 -  vem o J. a chorar que a mana lhe deu um pontapé

20:16 -  vem a E. a chorar que o mano a mordeu

20:17 -  vai tudo lavar os dentes e para a cama mais cedo

20:20 -  berreiro pegado dos miúdos a tentarem justificar o sucedido ( arrependidos das queixinhas)

20:30 - a E. adormeceu ( ainda oiço o J. a cantarolar músicas religiosas)


E tudo porque o J. queria se sentar na cadeira da irmã, onde ela já se encontrava sentada. Ela não deixou, ele pregou-lhe uma dentada no braço ao que ela respondeu com um pontapé. Meti ambos de castigo porque não vi realmente o que se passou. E hoje estou cansada... eles também!

 

Amanhã vamos ao otorrinolaringologista de manhã, ver os ouvidinhos da princesa. Ela já me disse que tem umas quantas perguntas a fazer ao Sr.Doutor.

Soninho

Hoje li um artigo sobre o sono numa revista . Segundo eles o ideal de sono para os meus dois filhos (3 - 5 anos) seria de 12 a 14 horas. Até aí tudo bem, eu também concordo PLENAMENTE! O que eu gostaria de saber, é como conseguir dar aos meus filhos esse tempo de repouso.

Ora de semana os meus filhos deitam-se às 21h e levantam-se às 7h.

Levantam-se às 7h porque eu inicio o meu serviço às 8h, logo deixo-os dormir até ao último minuto e depois é uma correria ( claro que quando os acordo já eu estou toda despachadinha!), eles ficam prontos às 7:45 para irem para a escola.

Depois ao fim do dia,chegamos a casa por voltas das 19h. Ora nessas 2horas (19h - 21h) trato de banhos, jantares, apoiar nalgum trabalho de casa que tenham ( da escola ou estudar o violino), e depois dos dentes lavados lá brincamos um pouco e chega a hora da história (uma para cada um) logo seguida de beijos e caminha. O certo é que tudo passa num instante e a sensação que tenho é que quase não me dediquei a eles...

Resumindo...De noite os meus filhos dormem na melhor das hipóteses 10H. Ficam então em falta 2h pelo menos! O J. dorme a sesta na escola, portanto posso considerar que dorme o aconselhável. Já a E. não tem esse bónus.

Eu acredito que os estudos apresentados sejam relevantes! E que façam todo o sentido na TEORIA ! Porque na prática torna-se quase impossível.

Ao fim de semana eles dormem sempre um pouco mais. Ela ainda hoje dormiu hora e meia de sesta no sofá,e de noite foi das 22h às 9h. Mas nunca compensa as 10h que ficam em atraso da semana. Li o artigo e fiquei triste. Pois por muito que tente dar o melhor aos meus filhos, há certas coisas que são quase impossíveis !

Com certeza ainda este mês ou num próximo, irei ler que todos os pais devem disponibilizar cerca de 2 horas por dia para brincar com eles...e sim eu ADORARIA poder fazê-lo diariamente ( e não apenas ao sábado, domingo e feriados!). Que tal inventarem um subsídio de " criança 100% saudável e feliz", que proporcione às mães ( ou pais) a possibilidade de dar tudo o que é realmente recomendável! Paguem-me o que ganho para ficar em casa, e aí PROMETO JURO...farei tudo o que sai nas revistas, e muito mais!

Chateia não chateia??? Uma pessoa tenta fazer do seu melhor...e vêm estudos dizer isto e aquilo. Sim estou chateada! {#emotions_dlg.annoyed}

Já agora...adoro ver os meus ninos a dormir! Fico mesmo deliciada!{#emotions_dlg.inlove}


 

Boa semana a todos... e descansem!

Televisão da minha infância...

Vejo hoje muito menos televisão do que na minha infância. E mesmo assim não se pode dizer que visse muita...não tinha paciência, havia sempre coisas mais interessantes para fazer. Mas dei comigo a lembrar-me das séries e desenhos animados que gostava/costumava ver...

 

Tomem atenção à tradução...aghahaha, está demais!
E tantos outros..."Nunca digas Banzai", "Evangelion", "Dragon Ball", "Cavaleiros do Zodíaco", "Bocas", "Tom & Jerry", "Beep-beep"...
E agora já sei que vou passar o resto da semana a lembrar-me de mais...

 

Pág. 2/2